O REINO AGONIZA.

RINADO

Ultimamente, ando afastado das dependências palacianas. Por isso, não tenho acompanhado as recentes fofocas da corte. Nem mesmos os tabloides marrons tenho folheado nos últimos tempos. Isso tem um lado bom: não estresso com as coisas que acontece na corte e, muito menos, com a plebe. Quando estava muito infiltrado no mundo palaciano, sofri demasiadamente. Isso forçou-me a consultar meu cardiologista e, muitas vezes, precisei-me afundar em doses cavalar de uísque. Quem sofreu foi meu fígado, que nada tinha a ver com isso. Hoje, venho me redimir e pedir perdão a ele.

Mas outro dia, sem querer, deparei-me com notícias nada alvissareiras sobre o “Reino Caiçara”. Causou-me muita tristeza, para não dizer, grande preocupação com Vossa Majestade. As pessoas mais próximas do trono, num desmando inimaginável, têm causado um desgaste político enorme à monarca. Pensei que minhas profecias de outrora, quando ela ascendia ao trono, jamais se consumaria. Mas, para minha infelicidade, aconteceu antes do esperado. Não sou adivinho e, muito menos, mensageiro do apocalipse, mais isso, era inevitável.

Corre pelas províncias, boatos que estão pedindo a cabeça da rainha e de seus assessores mais próximos. Os súditos reclamam da saúde, transporte, educação, moradia, segurança e tantas outras coisas. Os ministros mais próximos, tem se preocupado mais em engordar suas algibeiras, do que resolver as mazelas do bem comum.Dilapidam os cofres públicos, em prol de construções suntuosas e carros de marcas caríssimas. Deleitam em luxúrias, às custas da miséria de um povo ignorante.

RAINHA

A Câmara do Comuns, composta de políticos que em nada representam os anseios do povo, recebem uma enxurrada de denúncias de malversação do dinheiro público, e nada fazem para punir a rainha e seus asseclas. Assim também, como o reino agonizante, ela e a Câmara dos Lordes, vão perdendo a credibilidade perante uma população ansiosa por justiça. Por diversas vezes, tentei alertar Vossa Majestade sobre as cautelas que deveria manter com relação as pessoas mais próximas, porém, não me ouviu. “Cautela e caldo de galinha, não faz mal a ninguém”, diz um adágio popular.

Talvez agora, a monarca consiga entender, porque a Carta Magna da Nação, em seu Artigo 1º, § único, diz: “Todo poder emana do povo, que o exerce por meios de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Conclui-se, portanto, que todo poder emana do povo e em seu nome será exercido. Se a rainha não tomar as cautelas de estilo, terá a sua cabeça decapitada em praça pública, numa humilhação sem precedentes na história do reino.

ANE MARIE

Não queira Vossa Majestade acreditar que seus asseclas a defenderão ou que pedirão para serem sacrificados em seu lugar. Com certeza, fugirão para paraísos fiscais e protegidos pela impunidade que sempre imperou por aqui. E o povo, essa massa de manobra, continuará mendigando o pão mofo deixado por aqueles, que sempre acreditou, serem os defensores de seus direitos. A bem da verdade, o povo existe apenas para carregar o andor pesado dos impostos e das obrigações públicas. E recebem como pagamento, as chibatadas impiedades dos mandatários do poder.

RAINHA MASTER

Vejo com tristeza, que o reino está em coma profundo e que a monarca agoniza solitária no leito do abandono político. Pouco resta a ela, senão abdicar em nome de uma democracia transparente, bem como, da moralidade e da ética administrativa. Deverá descer do palco da arrogância financeira e política, para salvar um reino agonizante e que clama por salvação.
“God salve ourqueen” (Deus salve nossa rainha)

RAINHA1

ADÃO DE SOUZA RIBEIRO
Escritor, poeta e cronista

POSTADO PELA EQUIPE DO BOCA DE RUA

ETICA

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>