Reunião à portas fechadas com o Secretário da Saúde de Peruíbe.

MARCO BOTTEON NETO

Houve uma reunião à portas fechadas, nessa segunda-feira (13/10), na Câmara Municipal de Peruíbe com esse novo Secretário da Saúde, o BOCA DE RUA ligou para a Câmara perguntando se ele poderia acompanhar a reunião e recebeu um sonoro NÃO, não autorizaram a entrada do BOCA DE RUA.

PERGUNTA DO BOCA DE RUA

Por que quando o Dr. Rubens assumiu a Secretaria da Saúde, em 19 de Março de 2014, teve aquele oba, oba e agora que esse Secretário assumiu não teve sequer uma coletiva com a Imprensa?

Esse novo Secretário deve algumas explicações para a sociedade, principalmente para a população de Peruíbe, por conta dessa matéria que veiculou no Fantástico e que o BOCA DE RUA transcreveu, na íntegra e que esse Secretário solicitou, através de e-mail para que o BOCA DE RUA retirasse a matéria de circulação, literalmente o médico pediu para o BOCA DE RUA abortar a matéria o BOCA DE RUA obedeceu e retirou do ar, mas como o Fantástico permanece com a matéria no ar e agora o Jornal local também veiculou a matéria o BOCA DE RUA que é um veículo de comunicação e deve respeito aos seus leitores que ligaram perguntando cadê a matéria que havia sido veiculada no dia 09 de Outubro de 2014, veja a matéria que veiculou no Fantástico, na íntegra:

Será que esse novo Secretário da Saúde é aquele do esquema das Funerárias em 2007???

MARCO BOTTEON

A MATÉRIA DO FANTÁSTICO – DR MARCO BOTTEON.

Em Março de 2007 o Programa Fantástico veiculou essa matéria aqui ó:

Golpe do atestado de óbito permite enterro de boneco

Fantástico revela esquema de funerárias que pode encobrir provas de assassinatos.

Óbito é atestado sem que médico veja o corpo. Do G1, com informações do Fantástico. 05/03/07 – 02h33 – Atualizado em 05/03/07 – 10h0.

O “Fantástico”, da TV Globo, denunciou, neste domingo (4), a prática do golpe do atestado de óbito comprado, um esquema que envolve funerárias e médicos desonestos.

Com a pretensão de ajudar famílias de pessoas mortas a vencerem a burocracia e os altos custos do funeral, o esquema montado no Rio de Janeiro burla a Lei nº 6.015, que determina que, para enterrar um morto, é necessário atestado de óbito lavrado em cartório assinado por um médico que tenha examinado o corpo.

O “auxílio” oferecido pelos agentes funerários às famílias dos mortos, no entanto, pode servir até mesmo para encobrir crimes, como assassinato.

Na reportagem exibida neste domingo (4), o repórter Eduardo Faustini contrata um agente funerário para burlar a lei e consegue enterrar um boneco, com atestado de óbito assinado por um médico que nunca teve contato com o corpo, utilizando documentos de uma pessoa que morreu quatro anos antes.

Agente funerário fornece até atestado de óbito.

Para enterrar o boneco, o jornalista se apresenta como parente de um falecido. O falecido é um figurante contratado, que aparece deitado na cama na sala de uma casa, fingindo-se de morto.

O agente funerário Jairo Gonçalves entra no local e o repórter explica que pretende fazer o velório ali mesmo e pergunta que providências são necessárias para o enterro.

O agente informa que ele mesmo pode fazer todo o trâmite burocrático para enterrar o suposto morto e cobra R$ 1.050 pelo caixão, R$ 100 em honorários do cartório, R$ 31 para o cemitério e mais R$ 150 para conseguir o atestado de óbito com um médico, sem que o “defunto” precise ser examinado.

Na manhã do dia seguinte, o agente entrega ao jornalista o atestado de óbito. A causa da morte, câncer de próstata e diabetes, é exatamente a mesma informada pelo repórter um dia antes.

O cartório que emitiu o atestado, o 14º da Freguesia de Madureira, não verificou que os documentos usados pertenciam a uma pessoa que morrera quatro anos atrás.

A caminho do cemitério, o agente revela como conseguiu a declaração de óbito falsa.

“Quando eu saí daqui ontem, liguei para o doutor e disse: Doutor, as coordenadas dele é (sic) essa. Passei tudo para ele, o nome, tudo certinho, direitinho. Encontrei com ele, peguei o óbito e fui direto para o cartório”, revela Jairo.

Por volta do meio dia começa o sepultamento do boneco, de 1,68 metro e 65 quilos, que está sendo enterrado com o nome de uma pessoa que já morreu quatro anos atrás.

O enterro ocorre sem que a funerária, cartório e o cemitério percebam. E com uma declaração de óbito assinada por um médico que nem viu o corpo.

Médico nega que ateste óbitos sem ver o corpo.

Com o boneco enterrado, a reportagem procurou o médico Marco Botteon, que assinou a declaração de óbito. Ele nega que esteja atestando óbitos para funerárias sem examinar os corpos.

A nota fiscal fornecida pelo agente Jairo é da funerária Santa Casa de Bangu, assinada por Amilton Machado.

No local, a reportagem descobre que Machado é o dono da funerária, mas ele prefere não dar entrevista. Quem dá declarações é o advogado dele.

“Quanto a essa informação, essa denúncia, que teria aí, o proprietário aqui é novo no ramo, ele entrou em outubro, não tem conhecimento de nada. E na funerária aqui, são pessoas muito íntegras, jamais fariam esse tipo de absurdo e não teria necessidade nenhuma para eles agirem dessa forma”, afirma o advogado.

O repórter encontra novamente o agente Jairo. Ele agora diz que desconhece o esquema de venda de atestados de óbito.

“Nunca ouviu falar de um médico atestar o óbito sem ver o corpo”, disse, antes de tentar escapar de outras perguntas.

Prática é comum entre funerárias.

O repórter Eduardo Faustini telefonou para quatro outras funerárias no Rio de Janeiro. Três delas disseram trabalhar com o mesmo esquema.

Em uma delas, o funcionário disse que o médico cobra R$ 250 para assinar o atestado de óbito. Ele salienta, no entanto, que a causa da morte pode ser qualquer tipo de doença, mas não pode ser atestado que a pessoa tenha morrido por envenenamento, esfaqueamento ou por tiro.

Para procurador, situação é estarrecedora.

O “Fantástico” mostrou a reportagem ao procurador-geral de Justiça do Estado do Rio, Marfan Martins Vieira, que ficou estarrecido com o esquema e a possibilidade de se ocultar provas de assassinatos utilizando o método ilegal.

“Pois é, essa é a situação estarrecedora que me preocupa muito. Imagine você que alguém mate um familiar e chame esse tipo de pessoa que providencia todo o sepultamento, inclusive o atestado médico, certidão de óbito, e tudo fique resolvido dessa forma. Além de encobrir crimes de assassinato, a venda de atestados de óbito tem o potencial de abrir caminho para outras fraudes, contra seguros de vida e pensões, para citar apenas alguns exemplos”, disse o procurador.

Mafran disse que o Ministério Público vai investigar a denúncia e abrir processo para punir os envolvidos.

Resta saber, afinal, qual será o valor do salário desse médico, que parece que já foi encarregado de setor em Santos, ele deverá dizer com bastante propriedade.

Será que conseguiram, agora, arrumar o Salvador da Pátria??? Ou melhor o Salvador da Saúde???

Veja bem o BOCA DE RUA não tem pretensões de denegrir, ou vilipendiar a imagem de ninguém , tampouco, obstar qualquer nomeação de quem quer que seja, apesar dos serviços à população estarem sendo prestados de maneira mais que precária.

Infelizmente a Saúde de Peruíbe não tem remédio que cure.

COMPRIMIDO

POSTADO PELA EQUIPE DO BOCADE RUA:

corrup

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

4 respostas a Reunião à portas fechadas com o Secretário da Saúde de Peruíbe.

  1. DIA 23 \10 2014 AS 14 HORAS CONVITE A TODOS QUE TIVEREM INTERECE NA REUNIÃO CONVOCADA PELO CONSELHO DE SAUDE DE PERUIBE COM A COMIÇÃO DE SAUDE DA CAMARA MUNICIPAL DE PERUIBE PARA SABER COMO ESTA AS INVESTIGAÇÃO E QUAIS SÃO AS PROVIDENCIAS A SER TOMADAS POR ELES
    PROTOCOLADO NA CAMARA O PEDIDO DE PRESENÇA DOS VEREADORES 14\10\2014 CONTO COM A PRESENÇA DE TODOS

  2. José disse:

    Claudete, bom dia. Sou leitor do boca de rua e admiro sua luta. Peço que hoje, após o fim da sessão na Camara, você visite o centro da cidade (no boulevart, proximo a Pernambucanas) e registre o descaso da prefeita com a população. Está tudo as escuras!!! Não tem luz. Não tem como irmos ao centro depois das 18:00… é triste Claudete. Fica aqui o meu desabafo e sugestao de pauta.

  3. Marcelo Terra disse:

    Andei pesquisando sobre os bonecos e o citado médico Dr Marco da reportagem, e, descobri que no RJ onde aconteceu todos os fatos, realmente existe um Dr. Marco Jose Botteon Ferreira Camargo CRM-RJ 545940 Ativo. O Dr. Marco Botteon Neto, secretario da saúde de Peruíbe o CRM -SP é 86345 Ativo, por tando cheguei a conclusão que existe dois médicos com o nome parecido, o que resta agora é deixar o novo secretario da saúde Peruíbe trabalhar e torcer para que ele faça um excelente trabalho como foi feito no Diretor Regional de Saúde da Região Metropolitana da Baixada Santista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>