MONARQUIA ENLOUQUECIDA.

MONARQUIA ENLOUQUECIDA

Tenho procurado privar-me de fortes emoções. Ando tomando chá de camomila com erva cidreira, maracujá e outras tantas bebidas calmantes, conforme orientações médicas e, principalmente, por recomendações da minha santa vovozinha. Já não leio rotineiramente o matutino, para não me injuriar com as notícias de violência e da política nojenta que assola minha nação.

De vez em quando, procuro alento na natureza, na vida bucólica da minha terra natal. Converso longamente com as plantas e imito o canto suave das aves. Fujo de tudo que fere os meus ouvidos e violenta a minha paz de espírito. Já não tenho paciência com muitas coisas, penso que é da idade. Recolho-me dentro de mim, para fugir daquilo que me dá fadiga. Há tempos que não escrevo cartas, não visito parentes e não vou à missa.

Tomo um livro à mão e me embriago na leitura de grandes escritores e pensadores. E assim, além de alimentar o conhecimento, busco viajar num mundo intocável da leitura. Navego por galáxias e mundos imaginados pelos autores. De vez em quando, identifico-me com personagens ou lugares paradisíacos. Os bons livros têm esse dom de nos tirar da mesmice do dia a dia e de nos afastar personas non gratas.

Sei que pessoas ao meu derredor, não me veem com bons olhos. Acham-me sisudo ou arrogante. Traçam o meu perfil de forma errônea. Não ligo, não dou a mínima para isso. Procuro entender com paciência as pessoas menos desavisadas a meu respeito. O que me importa, na realidade, é o que sinto e o que penso sobre o mundo à minha volta e as coisas que incomodam o meu coração e flagela o meu espírito.

Outro dia, ou melhor, numa noite dessas, saí por aí, a fim de quebrar essa minha rotina de quase ermitão, não de misógino. Depois de caminhar horas a esmo, por ruas e labirintos, com a mente voltada para o nada, acabei por desembocar-me numa praça movimentada. Lá estava sendo realizado um show artístico de uma banda musical. O vocalista, já de meia idade, além de não falar coisa com coisa, entoava canções inteligíveis. Parece que estava sob efeito da erva do diabo, da erva maldita.
Tudo ali, causava-me estranheza. O grito das pessoas, misturado com uma dança desconsertada, que mais parecia a dança da chuva, feita por aborígenes, incomodava meus ouvidos. Enquanto o show de quinta categoria se desenvolvia, todo tipo de bebida e de entorpecente, rolava de mão em mão. Era a visão clássica de Sodoma e Gomorra. Mas, para os que se deleitavam com a contracultura, aquilo era o Éden, onde tudo era permitido.

Mas o que me chamou a atenção, foi perceber entre a multidão, a presença disfarçada de Vossa Majestade, acompanhada do seu consorte, o Conde Tupiniquim. Notava-se, isso sem muito esforço, além dos asseclas, o serviço secreto infiltrado entre o povo. A bem da verdade, haviam mais bajuladores do que o corpo de segurança. Por muito tempo, fiquei observando de longe, aquela cena dantesca. Tive que respirar fundo, para evitar emoções fortes e poupar meu coração. Lembrei-me das recomendações médicas e dos cuidados seculares de minha santa vovozinha.

Não queria crer que aquilo fosse verdade. Como pode Vossa Majestade, que tinha asco ao cheiro de povo, estar ali no meio daquela multidão. Havia, além do cheiro de povo, o cheiro insuportável de cannabis. Quem foi o irresponsável do Palácio Caiçara, que permitiu a exposição pública da Monarca, num local pecaminoso daquele? Eu enforcaria em praça pública, o chefe da Guarda Real e/ou o Ajudante de Ordens, se os visse por ali. O que me confortou por alguns momentos, foi o fato de que o povo não a reconhecera, em razão do seu disfarce de plebeia. Aos poucos, meu coração foi contido e pude respirar de forma aliviada.

Como o primeiro escalão do reino é intocável, não pude aproximar-me da Rainha e nem de seus ministros mais próximos. Assim, de longe, vai a minha manifestação de repúdio ao Ministro do Turismo e ao Ministro da Cultura. Não queriam eles e nem o Primeiro Ministro, subestimar a inteligência do povo. Quando quiserem embriagar o povo com espetáculos, que sejam embriagados com bebidas de primeira classe e não com cachaça de quinta categoria.

Assim, nem a Rainha Caiçara e nem o povo sofrido, serão expostos ao ridículo. Não queiram eles, enlouquecer a Monarquia e, muito menos, Vossa Majestade Real.

MONARQUIA2

ADÃO DE SOUZA RIBEIRO
Cronista, Escritor e Poeta

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>